Sistemas de Informação: altos salários e escassez de profissionais no mercado são pautas no mundo pós-pandemia

Tópicos sobre como investir em um bom curso superior são os mais abordados por empresas de tecnologia e inovação

O número de vagas no setor de Tecnologia da Informação se aproxima dos 14 milhões no Brasil, porém faltam candidatos para preenchê-las. De acordo com a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais (Brasscom), o Brasil terá um déficit, até o fim de 2022, de 408 mil profissionais na área de Sistemas de Informação, entre estagiários e contratados. 

Leia também Sistemas de Informação é uma das 10 carreiras que mais empregam no Brasil

Essa realidade é constatada pelas empresas diante da dificuldade para preencher suas vagas, em particular pela inserção do trabalho remoto, que, frente à pandemia da covid-19, exigiu das organizações a digitalização dos serviços, acelerando os processos de transformação digital. Além disso, foi necessária a aquisição de novos equipamentos, softwares e mão de obra para desenvolver, implementar e operar essas tecnologias. Assim, entraram na pauta o home office, a universalização e a transformação digital, o que ocasionou uma ruptura no cenário corporativo, um “empurrão” para que as empresas iniciassem uma tardia transformação digital em seus processos e serviços. 

Outro fator que contribui para que sobrem vagas no mercado brasileiro de tecnologia da informação é a “fuga de cérebros” brasileiros para o exterior. Com o rompimento das barreiras geográficas pelo teletrabalho, hoje é comum que profissionais brasileiros sejam requisitados por empresas localizadas em países da Europa e da América do Norte, resultando em uma extensa gama de oportunidades. 

Nesse cenário, muitos profissionais acabam sendo disputados pelo mercado, o que infla seus salários, mas, ao mesmo tempo, exige maior grau de comprometimento e desempenho. Como há abundância de vagas e escassez de profissionais, apostar no Ensino Superior nessa área é um investimento. Se as empresas exigem certificação em Projetos e Arquitetura de Sistemas ou em Modelagem de Software, por exemplo, os profissionais precisam saber quais instituições de ensino atendem às suas necessidades, com foco nas tecnologias mais utilizadas, na boa formação e em professores com experiência de mercado, que possam auxiliar no domínio da base. Munido desses conhecimentos, o futuro profissional poderá definir qual a ferramenta ideal para cada trabalho e será capaz de dominar tecnologias futuras por conta própria. 

Para sair na frente, portanto, é necessário que você invista na sua carreira. Leia. Muito. A capacidade de se expressar é fundamental e um diferencial que as empresas vêm buscando em suas novas contratações. A leitura, além de melhorar o vocabulário, auxilia a compreender melhor as linguagens de computação. Aprender um segundo idioma, de preferência o inglês, também é muito importante, pois os textos teóricos da área costumam ser escritos nesse idioma. 

Para passar por esse período com êxito, as empresas precisam capacitar os profissionais, investir em treinamentos e planos de carreira e proporcionar ambientes com uma abordagem mais humanista, centrada nas pessoas, respeitando e valorizando as diversidades. É indispensável o advento de lideranças genuinamente preocupadas e interessadas nas pessoas, pois essa nova abordagem tende a diminuir o turnover de profissionais, garantindo assim um desenvolvimento tecnológico mais confiável e robusto, gerando maior grau de envolvimento, confiança e comprometimento dentro da organização. 

Veja também:
:: 4 motivos para começar a faculdade agora mesmo
:: Quer fazer faculdade? Saiba quais são os cursos oferecidos pela Uniessa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *